Assunto para o dia todo, todo o dia. Jornal Hoje Livre o melhor do ABCDM.

Crise faz SUS do ABC receber 36 mil pacientes em nove meses

A perda de emprego e dificuldade orçamentária fizeram com que 36.112 pessoas deixassem o plano de Saúde em período de nove meses no Grande ABC, de acordo com dados da ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar).

O cenário, intensificado nos últimos anos devido à crise econômica que assola o País, reflete no SUS (Sistema Único de Saúde). Cresce a demanda de pacientes enquanto a rede pública de Saúde segue praticamente igual. Para especialistas, além da ampliação de investimentos, também precisam ser intensificadas ações de prevenção de doenças.

A quantidade de beneficiários de convênios médicos entre as sete cidades caiu de 1,38 milhão para 1,34 milhão entre dezembro de 2016 e setembro de 2017 (confira arte ao lado). Em contrapartida, o número de leitos públicos na região registrou leve queda – passou de 2.335 postos para 2.286 entre dezembro de 2016 e 2017, segundo o DataSus (Banco de dados do Ministério da Saúde).

Para o médico da família e comunidade e professor do curso de Medicina da USCS (Universidade Municipal de São Caetano) Murilo Moura Sarno, o cenário pede a execução de políticas públicas capazes de atender de maneira digna a população. “Quando se monta a rede pública, a gente não divide quem tem plano de saúde e quem não tem. A gente conta a população total daquele município”, fala. O caminho, conforme ele, é interferir nos fatores externos – como alimentação, trânsito, violência – para que menos pessoas procurem o SUS, além de valorizar as atenções primária, secundária e terciária. “É questão que envolve boa vontade política, conhecimento técnico sério, parar de ficar no achismo para garantir o acesso à Saúde”, completa.

Professora de Saúde Coletiva da FMABC (Faculdade de Medicina do ABC), Vânia Barbosa do Nascimento diz que é possível verificar avanços no SUS, tanto em relação à ampliação do acesso aos serviços quanto na melhoria das condições sanitárias, epidemiológicas e demográficas.

No entanto, pondera que o reflexo da conjuntura econômica e social já interfere na possibilidade de expansão do sistema de Saúde e de seu desempenho. “Já se constata a existência de unidades de Saúde desativadas, leitos hospitalares interditados, iminência de doenças que já estavam controladas, como a febre amarela. Não vislumbro saída, senão ampliar os investimentos”, salienta.

No Grande ABC, as sete cidades receberam em 2017, de acordo com o FNS (Fundo Nacional de Saúde), quase R$ 737 milhões em recursos do SUS (Sistema Único de Saúde), valor 3% menor do que o obtido no ano anterior. No entanto, o gasto com a Pasta foi de R$ 2,84 bilhões. A expectativa das administrações, conforme destacou reportagem do Diário no dia 4 de fevereiro, é que mudanças na distribuição de recursos federais surtam reflexos positivos.

Prefeituras destacam investimentos para ampliar a rede de Saúde. Em Santo André, houve reativação de nove leitos, bem como do Hospital Dia. “As principais demandas estão centralizadas nas redes de atenção especializada e hospitalar”, fala o secretário Márcio Chaves.

Geraldo Reple, secretário de Saúde de São Bernardo e coordenador do GT sobre o tema no Consórcio Intermunicipal do Grande ABC, diz que, apesar da limitação de recursos, o que pode ser feito para melhorar o atendimento está sendo providenciado. “Contratamos médicos, ampliamos serviços com o Saúde Prioridade (que abrange consultas e exames)”, lista.

Em São Caetano, onde houve a maior queda de beneficiários de planos de Saúde, a secretária Regina Maura Zetone ressalta que os custos aumentaram 30%. “Acabamos de contratar quatro médicos para o Programa Saúde da Família e aumentaremos as equipes de saúde bucal. Estamos racionalizando, escolhendo prioridades para podermos atender a todos”, diz.

Em nível regional, o Consórcio Intermunicipal do Grande ABC pleiteia, desde o primeiro semestre do ano passado, a instalação de unidade da Cross (Central de Regulação de Ofertas de Serviços de Saúde) com objetivo de agilizar a abertura de vagas ambulatoriais e de leitos para pacientes da região.

0 comentários

Adicionar comentário

Outros artigosir para home

BNDES apoiará projetos de Internet das Coisas com pelo menos R$ 1 mi

BNDES apoiará projetos de Internet das Coisas com pelo menos R$ 1 mi(0)

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico (BNDES) lançou nesta quinta-feira (14) o início da seleção de projetos-piloto de Internet das Coisas (IoT), que receberão ao menos R$ 1 milhão. de incentivo Conduzida ao lado do Ministério da Ciência, Tecnologia e Comunicações (MCTIC), a iniciativa tem orçamento de R$ 20 milhões, cujos recursos não são reembolsáveis.

Justiça limita reajuste de planos de saúde individuais a 5,72%

Justiça limita reajuste de planos de saúde individuais a 5,72%(0)

O juiz José Henrique Prescendo, da 22ª Vara Cível Federal de São Paulo, de- terminou que a Agência Nacional de Saúde Complementar (ANS) aplique a inflação do setor de saúde como teto para reajuste dos planos de saúde in- dividuais e familiares em 2018. Dessa forma, a correção desses planos fica limitada a 5,72% –

Justiça alemã multa Volkswagen em 1 bilhão de euros no caso ‘Dieselgate’

Justiça alemã multa Volkswagen em 1 bilhão de euros no caso ‘Dieselgate’(0)

A Promotoria de Brauns- chweig, na Alemanha, im- pôs na última quarta-feira (13) uma multa de 1 bilhão de euros para o grupo Volkswagen pela mani- pulação das emissões de gases em motores a diesel nesta quarta-feira (13). A montadora alemã aca- tou a decisão e se decla- rou responsável pelas acu- sações no caso

Câmara dos Deputados aprova descriminalização do aborto

Câmara dos Deputados aprova descriminalização do aborto(0)

O plenário da Câmara de Deputados da Argentina, nesta quinta-feira (14), em uma sessão disputada e histórica, decidiu: por 131 votos a 123, que as mulheres terão direito ao aborto legal em qualquer circunstância até a 14ª semana de gestação. Também houve 1 abstenção.

Como Tite trouxe o Brasil para a era moderna do futebol

Como Tite trouxe o Brasil para a era moderna do futebol(0)

Era o dia 9 de julho de 2014. A Argentina havia acabado de derrotar a Holanda nos pênaltis e chegar à final da Copa do Mundo. Mas todo mundo ainda tentava assimilar o inesperado resultado da outra semifinal. O Brasil havia sido aniquila- do pela Alemanha por 7 a 1.

ler mais


Entre em contato

Grupo Hoje Livre - Av. Brig. Faria Lima, 2381 - Sala 9 - São Bernardo do Campo - SP

Redes sociais

Categorias mais populares

© 2014 Jornal Hoje Livre - Todos os direitos reservados.