Assunto para o dia todo, todo o dia. Jornal Hoje Livre o melhor do ABCDM.

LDO estabelece aumento do salário mínimo em 2018 para R$ 979

O presidente Michel Temer sancionou nesta quarta-feira, 9, com vetos, a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) para 2018. A LDO estabelece as metas e prioridades do governo para o ano seguinte e orienta a elaboração da lei orçamentária anual.

Brazil’s interim President Michel Temer looks on during a meeting with unionists at the Planalto Palace in Brasilia, Brazil, May 16, 2016. REUTERS/Ueslei Marcelino

O texto sancionado mantém a meta fiscal proposta pelo governo e prevê, para 2018, um deficit primário de R$ 131,3 bilhões para o conjunto do setor público consolidado (que engloba o governo federal, os estados, municípios e as empresas estatais), sendo R$ 129 bilhões para os orçamentos Fiscal e da Seguridade Social da União e R$ 3,5 bilhões para o Programa de Dispêndios Globais.

A LDO estipula o aumento do salário mínimo de R$ 937 para R$ 979. Também projeta um crescimento real da economia brasileira de 2,5%, taxa básica de juros (Selic) em 9%, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de 4,5% no ano e o dólar a R$ 3,40 no fim de 2018.

Esta será a primeira LDO a entrar em vigor após aprovação do teto de gastos públicos, que atrela os gastos à inflação do ano anterior, por um período de 20 anos.

Vetos. Um dos vetos foi ao item que registrava que o Executivo adotaria providências e medidas, inclusive com o envio de proposições ao Legislativo, com o objetivo de reduzir o montante de incentivos e benefícios de natureza tributária, financeira, creditícia ou patrimonial. A justificativa ao veto é que “o dispositivo poderia tornar ilegal medidas de caráter concessivo que se apresentem prementes ao longo do exercício.”

Outro ponto vetado é o que previa que projetos de lei e medidas provisórias relacionadas ao aumento de gastos com pessoal e encargos sociais não poderiam ser usados para conceder reajustes salariais posteriores ao término do mandato presidencial em curso.

O governo argumentou que “a limitação prejudica a negociação das estruturas salariais com os servidores dos três poderes, impondo um marco final curto para a concessão de reajustes salariais”. O texto lembra que muitas vezes reajustes são concedidos de forma parcelada em mais de um exercício fiscal.

0 comentários

Adicionar comentário

Outros artigosir para home

Batalha de Temer contra 2ª denúncia chega perto do fim: entenda por que ele deve vencer

Batalha de Temer contra 2ª denúncia chega perto do fim: entenda por que ele deve vencer(0)

A batalha do presidente Michel Temer para vencer sua segunda denúncia criminal está perto do fim. A previsão é que na próxima semana

Parecer do Cade recomenda arquivamento de inquérito contra Uber

Parecer do Cade recomenda arquivamento de inquérito contra Uber(0)

Um parecer técnico do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) recomendou o arquivamento de um inquérito administrativo

Agências do Banco do Brasil abrirão uma hora mais cedo para saques do Pasep

Agências do Banco do Brasil abrirão uma hora mais cedo para saques do Pasep(0)

As pessoas com mais de 70 anos beneficiadas com o saque das cotas do Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público (Pasep)

Os sintomas menos conhecidos do câncer de mama – além dos caroços no seio

Os sintomas menos conhecidos do câncer de mama – além dos caroços no seio(0)

O dia 19 de outubro marca o Dia Internacional contra o Câncer de Mama, doença que afeta centenas de milhares de pessoas em

Prefeito conhece novo Centro de  Distribuição da Suzano no bairro Batistini

Prefeito conhece novo Centro de Distribuição da Suzano no bairro Batistini(0)

O prefeito de São Bernardo, Orlando Morando, esteve nesta quarta-feira (18) em visita ao novo Centro de Distribuição

ler mais


Entre em contato

Grupo Hoje Livre - Av. Brig. Faria Lima, 2381 - Sala 9 - São Bernardo do Campo - SP

Redes sociais

Categorias mais populares

© 2014 Jornal Hoje Livre - Todos os direitos reservados.