Assunto para o dia todo, todo o dia. Jornal Hoje Livre o melhor do ABCDM.

Oposição disputará eleições em uma Venezuela que diz viver uma ‘ditadura’

A oposição venezuelana decidiu participar das eleições de governadores, em meio a acusações de fraude na Constituinte do presidente Nicolás Maduro, que motivaram novas sanções dos Estados Unidos.

“Acordamos por consenso pré-inscrever candidatos para as eleições regionais”, assinalou nesta quarta-feira em um comunicado a coalizão Mesa da Unidade Democrática (MUD), que viu vários de seus dirigentes inabilitados a se candidatar.

A aliança explicou que a sua decisão tem a intenção de pressionar Maduro e o poder eleitoral para que cumpram com a a palavra de realizar as eleições em 10 de dezembro. Se não o fizerem, “que paguem o preço”, assinalou o dirigente Andrés Velásquez, em coletiva.

O prazo para a inscrição na disputa por 23 executivos estaduais e assembleias regionais vence nesta quarta-feira.

O anúncio coincidiu com as sanções do Departamento do Tesouro americano, nesta quarta-feira, ao irmão mais velho do presidente falecido Hugo Chávez e a outros sete políticos por sua relação com a polêmica Assembleia Constituinte, em vigor desde a sexta-feira com poderes absolutos e que enfrenta um amplo repúdio internacional.

Não foi uma decisão fácil para a MUD, que reúne cerca de 30 partidos com diferentes tendências políticas e que se juntaram em 2008 para enfrentar o chavismo, no poder desde 1999.

“É uma forma de luta e não assumi-la é a melhor maneira de convalidar e fortalecer a ditadura”, justificou-se, advertindo que os protestos para exigir eleições gerais continuarão.

Os quatro meses de manifestações deixaram 125 mortos e nas últimas semanas notou-se uma diminuição na participação.

As eleições regionais deveriam ter acontecido no fim de 2016, mas o Conselho Nacional Eleitoral (CNE) as adiou sem motivos.

Acusado de servir ao governo, o CNE também suspendeu em 2016 o trâmite para um referendo revogatório do mandato de Maduro, por ordem dos tribunais regionais.

Mais sanções
As sanções contra Adán Chávez e outros sete políticos chavistas implicam no congelamento dos bens que tenham nos Estados Unidos, e na proibição a cidadãos americanos de fazer negócios com eles.

Washington já sancionou Maduro, 13 funcionários e ex-colaboradores do presidente, acusados de quebrar a democracia, corrupção e violação dos direitos humanos.

A lista aumentou depois que 12 governos da América condenaram Maduro, na terça-feira em Lima, por uma “ruptura” da democracia e desconheceram a Constituinte, também rechaçada pela União Europeia (UE).

0 comentários

Adicionar comentário

Outros artigosir para home

FSA lança e-book gratuito sobre gestão no terceiro setor

FSA lança e-book gratuito sobre gestão no terceiro setor(0)

Com o objetivo de compartilhar práticas de gestão no terceiro setor, a Fundação Salvador Arena (FSA) acaba de lançar

Mercado vê chances menores de aprovação da reforma da Previdência

Mercado vê chances menores de aprovação da reforma da Previdência(0)

As dificuldades do governo em aprovar a reforma da Previdência ainda neste ano desanimaram o mercado financeiro nesta quinta-feira, 7,

Inflação no ano é a menor  desde 1998, diz IBGE

Inflação no ano é a menor desde 1998, diz IBGE(0)

Os preços monitorados pelo IPCA subiram 0,28% em novembro, segundo divulgou o IBGE nesta sexta feira. Com o resultado a

Cooperativa de crédito planeja dobrar número de associados em 3 anos

Cooperativa de crédito planeja dobrar número de associados em 3 anos(0)

Cooperativa de crédito planeja dobrar número de associados em 3 anos. De acordo com o diretor-presidente Francisco Ráo, atualmente

A multiplicação visual pelo método de matriz

A multiplicação visual pelo método de matriz(0)

Para usar esse método, precisamos desenhar um quadro. Seguimos

ler mais


Entre em contato

Grupo Hoje Livre - Av. Brig. Faria Lima, 2381 - Sala 9 - São Bernardo do Campo - SP

Redes sociais

Categorias mais populares

© 2014 Jornal Hoje Livre - Todos os direitos reservados.